4 de jul de 2013

QUINZE INSÔNIAS: AUSÊNCIA E CAOS


Chegava a ser engraçado até. Desviava o olhar pra tentar não embaraçar o dia e acabava me perdendo nas luzes da cozinha. Olhava para a escada vazia e procurava um pouco de paz. Daquelas que a gente cria durante as quartas-feiras, sabe? Mas, volta e meia eu surtava. E surtava de saudade.

Eram dias em que a preguiça se tornava um ponto de parada obrigatória. Algo meio paranoico  De certo que até o meu gato circulava por aí. Aquela bola de pelo estava com mais sorte que meus caminhos rabiscados. Cinco dias se passaram desde as férias. Nada de novo e sem previsões. A bagagem era pesada. Uma mala desbotada da vovó.

Me joguei no edredom. O clima não ajudava nas decisões e muito menos nas leituras. A tua ausência causava o meu caos. Não tinha chá. Era estanho toda aquela fadigava imaginária. Os pensamentos turbulentos me torturavam algumas vezes. Não sei, e mesmo sabendo, procurava não entender. Sem horários estabelecidos eu decidi ficar. Buscava algum tipo de confiança pra não perder o costume.

Era um tipo de impacto qualquer. Nem as estrelas sabiam. Um segredo de Estado, sabia? Segurava a língua. Me arrepiava nas tentativas falhas de ajustar as esperanças. Nenhum sinal da tua esperteza. Muito menos da tua sabedoria. 

---
Até o próximo!





3 comentários :

  1. Por muitas vezes, me sinto exatamente assim...

    Abraço!
    http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá, Matheus, como vai? Conheci o projeto através do blog Escritos Lisérgicos e adorei, estou participando. Tentei segui-lo mas está dando erro, tentarei na próxima visita. Adorei seu texto! Um abraço!

    www.haicaiepoemas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Gostei do jeito que você escreve! Ah, e que layout lindo, einh? Fica com Deus.

    http://fenix-es.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir